O “monstro de duas cabeças” e o processo penal