Locke e Montesquieu: o poder executivo entre limitação e governabilidade